O processo do engatinhar: ajudando seu bebê a se desenvolver

Faz um tempo que o Lucano vem ensaiando engatinhar, o início foi quando começamos a deixá-lo de bruços e ele apoiava-se nos braços para levantar. É um processo beeeem longo, que começa lá nos dois, três meses, onde os pais dão a oportunidade do pequeno em explorar seu corpo no espaço. Dado técnico: Nosso desenvolvimento se dá de forma céfalo-caudal, ou seja, da cabeça em direção aos pés. Por exemplo, nos primeiros três meses, os bebês exploram tudo e muito com os sentidos (visão, audição, olfato, tato e paladar). Por isso, em aula, costumo dizer que é a fase de exploração a partir, principalmente, da cabeça. Depois disso, estando deitados, começam a explorar outras formas de ver o mundo, rolando pela cama (ou chão) e ficando de bruços, levantam o tronco apoiando-se nos braços. Assim, sequencialmente, começam a levantar cada vez mais o tronco até conseguirem sentar. Colocando seus brinquedos preferidos logo à frente, eles passam a querer alcançá-los e arrastam-se até o brinquedo. Um parênteses: Como ajudamos a criança a sentar e quando? Deixando-o de bruços e mostrando como levantar o tronco(colocando uma almofadinha no peito para ficarem mais confortáveis também vale). Quando vemos que ele está preparado, ou seja, faz com firmeza e vontade, sem chorar, podemos ajudá-lo a ir adiante gradativamente...sentando-o com apoio: apoiado no sofá e em almofadas. Isso vai ajudando a fortalecer a musculatura da coluna para que eles tenham habilidade natural de sentar-se sozinhos. (Se eles ficarem somente deitados, não exercitarão essa musculatura. Não vamos forçar, mas dar a oportunidade de estarem de outras formas) Então, depois disso, vimos que o Lucano passou a sentar com firmeza e passamos a deixar seus brinquedos preferidos na frente dele (um pouco mais afastado, nem tanto para não frustrar de primeira, e nem tão perto para que seja também um desafio prazeroso). E ele passou um bom tempo só se arrastando até os brinquedos. Pensamos até que ele seria daquelas crianças que não engatinham e só se arrastam (o que é um jeito de engatinhar, e não tem problema nenhum!). Dado técnico: O desenvolvimento é sempre sequencial (primeiro deitados, depois rolando, depois, virando, depois levantando o tronco, depois sentando, depois engatinhando, depois caminhando), o cérebro recebe as informações de nossos movimentos e vai agregando essas informações para conseguirmos realizar novos movimentos ou idéias. Por esse motivo é tão importante que as crianças tenham a oportunidade de passar por todas as fases antes de caminhar, para que essas informações sejam processadas e armazenadas por eles. Por quê? Porque quanto mais informações de experiências corporais e afetivas (sem excessos, por favor!), mais maturidade eles têm para desenvolverem-se com segurança! Outro parênteses: E se o seu filho não passou por essa sequencia? Não tem problema, nada é tão rígido quando se trata de seres humanos!! Tem crianças que passam de deitados a engatinhar e tem outras que não engatinham e começam logo a caminhar. Então por que esse papo todo? Por que se os pais estão apressados para que o filho caminhe logo, por exemplo, podem estar apressando uma coisa sem respeitar o tempo da criança. E mais, se podemos ajudá-los a passar por todas as fases com calma, brincando, ajudamos o cérebro a amadurecer no seu tempo. Fomos pacientemente brincando com o Lucano, olhando seu tempo para as coisas e nos divertindo com cada descoberta! Anteontem ele deixou de se arrastar e começou a engatinhar!! E o negócio é rápido meeesssmo, vejam as peripécias de hoje:

Estávamos brincando no tapete. Depois que deixamos o tapete mais livre, com poucos brinquedos, ele se soltou!

De repente, ele saiu engatinhando e foi para o seu quarto! Sentou na porta e fez charminho...

Voltou, se apoiou em minhas cestas e......levantou! Olhem a cara de sapeca!

Como se não bastasse, foi devagarinho até o som!!!!!

Enfim, agora só vai! Ou seja, precisaremos pensar como guardar melhor os fios, cds e dvds e tudo o mais na casa, se não quisermos facilitar acidentes!! (Me lembrei uma vez que eu, pequena, me apoiei numa televisão "gigante" em casa e ela caiu em cima de mim...hehehehehe)

Não tiramos nada do lugar 'para que ele não quebrasse', optamos por estar com ele sempre e ensina-lo aos poucos o que pode e o que não pode. Quando vai pegar coisas que podem quebrar, oferecemos outras coisas ,brinquedos.

Um beijo! Ju