Mude seu comportamento, para mudar o das crianças!


As coisas não são mais como antigamente! Sim! Que bom que estamos percebendo!

O que acontece é que nosso pensamento e nossa rotina ficaram muito complexos, a falta de tempo atrapalha que consigamos ver as coisas com mais atenção, hábitos que incluem a televisão, celulares e tablets nos tiram dos focos mais importantes: as relações no aqui agora e o fortalecimento dos vínculos afetivos. E nessa roda que vem girando tão rápido, tudo dá uma preguiça de desacomodar!

Conheço muitas crianças que não são de fato vistas por seus pais, ou porque os pais estão atarefados demais, ou porque projetam suas expectativas sobre as crianças. Encontro com pais que verdadeiramente pensam que seus filhos sofrem a influência dos outros na escola e não são responsáveis pelos comportamentos 'inadequados' que vêm apresentando, são filhos de uma perfeição que não existe, e sofrem do mesmo jeito que filhos do abandono.

Não deixar os filhos experimentarem o mundo por suas próprias hipóteses, gera crianças frustradas consigo mesmas, com medo da vida, com a autoestima prejudicada. Deixar os filhos pequenos a cargo de decidirem o que querem comer e o que vão fazer, também, uma vez que eles ainda não desenvolveram ferramentas internas para saberem lidar com as coisas complexas do mundo.

Falamos tanto em limites, mas não conseguimos respeitar nossos próprios, ficamos doentes de estresse, obesos, dormimos mal, gastamos mais do que temos, não respeitamos nossos sentimentos e explodimos de raiva. E o pior, justamente com nossas crianças, que talvez sejam as únicas que não vão deixar de nos amar, mesmo que derramemos sobre elas nosso lixo interno.

Dizemos que fazemos tudo por elas, mas na verdade cuidamos de todas as necessidades básicas de forma satisfatória, de modo geral sobra mandar tomar banho, dormir na hora, fazer as obrigações, dar comida. Falta sentar junto pra brincar, conversar, escutando de verdade o que a criança tem a dizer, estabelecer relações de respeito mútuo e de cooperação. Falta perceber o que está por trás de manifestações desequilibradas das crianças, para ajudá-las e ensiná-las como lidar com as coisas.

Mutas vezes, encontro pais e mães exaustos que não deixam as crianças serem crianças por desconhecerem o que é próprio delas. O simples fato de não escutarem ou não perceberem o que acontece por trás das reações infantis, gera comportamentos 'inadequados' aos nossos olhos e reações inadequadas nossas. Crianças correm, crianças falam alto, crianças brincam na hora de comer e em qualquer hora também, crianças não querem dormir pra aproveitar os pais, crianças saudáveis têm energia. Crianças precisam que os adultos mostrem a elas como se relacionarem com respeito e calma consigo, com os outros e com os diferentes espaços.

Elas precisam ser vistas como são, não como nossas fantasias imaginam. Necessitam de apoio enquanto fazem algumas coisas; de presença, daquelas de corpo e alma, para sentirem o suporte invisível do amor. Precisam aprender conosco como respeitar aos outros, nos vendo respeitar nossos próprios limites, a elas com suas ideias e tempos de crianças, aos vizinhos e ao caixa do supermercado. As crianças aprendem a falar de mau jeito com os outros, quando nos vêem respondendo sem paciência com elas e com nossos companheiros.

Aprendem a engolir suas emoções quando rechaçamos algo de errado que tenham feito e as colocamos de castigo. Quando não temos a mínima ideia do porque crianças agem como crianças, quando desejamos que elas ajam como adultos, mesmo que a maioria de nós não aja exatamente como um.

Olhar nos olhos com profundidade e sem pressa, observar as crianças em seu rico mundo imaginário, rindo à toa com elas, ensinar como um avô amoroso, ficar 30 minutos com eles sem mexer no celular, oferecer nosso tempo, nosso olhar, escuta ativa e fala firmes e amorosos, produzirá 'milagres' no comportamento das crianças.

Ter um tempo para conversar em família, incluir as crianças na formulação de combinados, exercer empatia com elas, compreendendo seu mundo, mais do que exigirmos que elas compreendam o nosso, oferecer oportunidades para que elas desenvolvam suas habilidades sociais, mudam o mundo! A mudança em nosso comportamento com as crianças, fará com que elas tenham outro comportamento conosco também.

Simples assim. Não que seja fácil, temos anos e anos de hábitos diferentes disso, e mudar hábitos nos custa bastante. Desacomoda nossas certezas sobre como se educa crianças, sem perder a disciplina e o respeito, ganhamos todos pela Disciplina Positiva e a Comunicação Não Violenta.